Fale conosco pelo WhatsAppEntre em contato

Causas de diástase de retos abdominais

imagem ilustrativa

Problema caracterizado pela separação dos músculos retos abdominais pode ser causado por diversos fatores

A diástase dos retos abdominais, conhecida também simplesmente como diástase abdominal, é um problema caracterizado pela separação ou afastamento dos músculos retos abdominais. Esta condição é mais comum em mulheres, principalmente aquelas que estão ou já estiveram grávidas.

O problema, em muitas pessoas, não causa sintomas além de uma protusão na linha média do abdômen, perceptível principalmente ao realizar alguns movimentos específicos. Alguns casos, no entanto, podem ter relatos de fraqueza e desconforto abdominal, principalmente ao realizar esforço físico.

As causas de diástase de retos abdominais estão associadas a fatores que favorecem a pressão intra-abdominal, que, por sua vez, leva à separação dos músculos. A gravidez, como mencionado, pode ser uma delas, mas diversas outras variáveis podem levar ao problema. Entenda a seguir.

Evite já a diátese abdominal: Entre em contato clicando aqui

Agende uma consulta

Possíveis causas da diástase de retos abdominais

Diversos fatores podem ser classificados como causas de diástase de retos abdominais, ou seja, causas da pressão intra-abdominal que leva à separação dos músculos. Entretanto, alguns casos também podem ocorrer por predisposição individual, isto é, uma condição própria de fraqueza do colágeno que leva ao afastamento.

Gravidez

A gestação é uma das mais frequentes causas de diástase de retos abdominais, uma vez que o desenvolvimento do feto acaba empurrando os músculos abdominais e aumentando a pressão na região, favorecendo seu enfraquecimento e afastamento.

Por esse motivo, a maior parte dos casos de diástase de retos abdominais é diagnosticada em mulheres após o parto, principalmente naquelas com as seguintes características:

  • Fetos grandes ou com peso excessivo;
  • Gravidez em mulheres de baixa estatura;
  • Mais de uma gestação em curtos intervalos;
  • Gravidez após os 35 anos;
  • Gestação múltipla (de gêmeos).

Obesidade

Uma das principais características da obesidade é a deformação abdominal causada pelo excesso de gordura visceral, ou seja, gordura interna do abdome, associado ao excesso de peso. Além disso, pessoas obesas ou portadoras de síndrome metabólica/diabetes podem evoluir com sarcopenia, que é a perda e enfraquecimento progressivo de massa muscular. Estas variáveis contribuem para o aumento da pressão intra-abdominal e separação dos músculos retos pela linha média. Por tal razão, a obesidade é considerada uma das causas de diástase de retos abdominais.

Cirurgias abdominais

A realização de cirurgias pode ser uma das causas de diástase de retos abdominais, principalmente quando o paciente já possui um histórico de procedimentos nessa região. Isso ocorre porque quando os músculos são frequentemente manipulados, eles vão enfraquecendo, favorecendo quadros como sua separação.

Evite já a diátese abdominal: Entre em contato clicando aqui

Agende uma consulta

Exercícios intensos

Alguns pacientes podem ter diástase de retos abdominais causada pela intensidade de exercícios físicos de forma desproporcional sobre os músculos abdominais. O excesso de pressão sem o fortalecimento de todo o tronco como um todo pode levar à sua separação.

Diástase congênita

Além das causas de diástase de retos abdominais adquirida, o problema também pode surgir de forma congênita, ou seja, a pessoa já nasce com ela ou com uma tendência a desenvolvê-la. No entanto, a diástase congênita é uma forma muito rara da doença. A prematuridade (quando o bebê nasce sem a formação completa dos músculos abdominais) e a presença de algumas síndromes que favorecem a manifestação da doença estão entre as causas congênitas da doença.

Diagnóstico

Independentemente da causa de diástase de retos abdominais, o diagnóstico costuma ser feito por meio de exame físico, uma vez que a diferença de posição dos músculos pode ser observada, na maioria dos casos, por meio de manobras e posições específicas.

Durante o diagnóstico, é feita a medição da diástase para avaliar sua gravidade. Alguns casos podem necessitar confirmação diagnóstica por meio de exames de imagem como a ultrassonografia e a tomografia, que diferenciam a doença de outros problemas no abdômen, como as hérnias.

Tratamentos para diástase de retos abdominais

O tratamento para a diástase de retos abdominais depende de uma série de fatores, como a causa, a gravidade e a presença de sintomas como dor lombar, incômodo abdominal e incontinência urinária.

De forma geral, diástases de pequeno tamanho, pouco visíveis e sem sintomas não precisam ser tratadas imediatamente. Estes casos, na maioria das vezes, requerem apenas adequação de hábitos de vida e acompanhamento periódico da evolução do problema.

Existem casos em que a diástase regride sozinha, como em algumas mulheres após o parto ou pessoas com obesidade que perdem peso. Adequações de atividades físicas com o objetivo de fortalecer os músculos abdominais podem auxiliar nesse processo e ajudar a regredir a separação muscular.

Cirurgia

A cirurgia é um tratamento indicado em alguns casos, independentemente das causas de diástase de retos abdominais, quando a alteração visual da região é muito grande ou quando o paciente relata sintomas específicos que não regridem com métodos conservadores.

A cirurgia é realizada em ambiente hospitalar, com o paciente sob anestesia geral, e consiste, basicamente, no reposicionamento dos músculos. O procedimento geralmente é feito de forma minimamente invasiva com a Videolaparoscopia ou Cirurgia Robótica. Quando há excesso de pele associado, pode ser feito também durante uma abdominoplastia.

Evite já a diátese abdominal: Entre em contato clicando aqui

Agende uma consulta

Para saber mais sobre a diástase de retos abdominais e outros assuntos, entre em contato com a Hernia Clinic e agende uma consulta.

Fontes:

Manual MSD

Sociedade Brasileira de Hérnia e Parede Abdominal

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica