Fale conosco pelo WhatsApp

Cirurgia de Hérnia Inguinal

Procedimento é indicado quando a hérnia causa dor e incômodo ao paciente. Saiba como ele é realizado e quais cuidados ter no pós-operatório

Hérnia é a protrusão de uma pequena porção do intestinode gordura intra-abdominal ou de outros órgãos pela parede abdominal. Isso acontece em função de um enfraquecimento e abertura da musculatura, o que permite essa projeção. Quando ela ocorre na região da virilha, é chamada de hérnia inguinal.

A hérnia inguinal é mais comum em homens e pode se manifestar em qualquer fase da vida — embora seja mais frequente em recém-nascidos ou em idosos. Pessoas que fazem atividades de muito esforço ou que tem o hábito de fumar também apresentam maior tendência ao problema, já que essas são situações que aumentam a pressão intra-abdominal.

A hérnia inguinal é classificada em dois tipos:

  • Hérnia inguinal direta: é mais comum nos adultos e idosos, acontecendo após esforços ao longo da vida que aumentam a pressão na barriga, como pegar objetos pesados. Ocorre o enfraquecimento e abertura da musculatura no local;
  • Hérnia inguinal indireta: é mais comum em crianças e jovens, pois acontece por um problema congênito, que mantém aberta a passagem através da musculatura das estruturas que vão até o testículo.

Em ambos os casos, o tratamento indicado é a cirurgia de hérnia inguinal. O procedimento visa recolocar o que está saindo no local correto e fortalecer os músculos do abdômen para que o problema não volte a acontecer.

O que causa a hérnia inguinal?

A hérnia na região inguinal acontece quando a parede abdominal está enfraquecida e apresenta uma abertura, permitindo que estruturas de dentro façam pressão sobre os músculos e o atravessem. Os principais fatores de risco que podem favorecer essa situação são:

  • Aumento da pressão abdominal, por tosse crônica ou prisão de ventre;
  • Defeitos congênitos na região abdominal (no caso das crianças);
  • Obesidade;
  • Doenças do colágeno;
  • Antecedentes familiares.

Quais os sintomas da hérnia inguinal?

  • Protuberância ou inchaço na região da virilha;
  • Dor ou desconforto na virilha ao levantar-se, curvar-se ou levantar peso;
  • Sensação de peso na virilha;
  • Dor que irradia para os testículos, no caso dos homens 

Quando a hérnia não volta para o interior do abdômen, existe a possibilidade de ser um encarceramento, que é quando as estruturas internas ficam presas podendo sofrer necrose (morte) dos tecidos.

A hérnia inguinal encarcerada pode levar a uma situação muito mais grave, que se chama hérnia inguinal estrangulada. Quando isso ocorre, a cirurgia de hérnia inguinal é a única opção de tratamento e o paciente precisa ser operado com urgência.

Os principais sintomas que indicam que a hérnia está estrangulada são:

  • Dor muito intensa na virilha, ou seja, na região em que a hérnia está localizada;
  • Vômitos;
  • Distensão abdominal;
  • Parada na evacuação;
  • Vermelhidão e calor no local.

Ainda que esses sintomas possam indicar que a dor na virilha pode ser hérnia, o diagnóstico médico é necessário.

Como é feito o diagnóstico da hérnia inguinal?

O exame físico, de apalpamento da região, geralmente é suficiente para diagnosticar a hérnia inguinal. Mas pode ocorrer de o médico solicitar exames como o de ultrassom para verificar se a hérnia está presente ou mesmo exames mais complexos, como a ressonância magnética, visando descartar se a dor pode ser resultante de fatores ósseos ou musculares.

Com o conjunto de exames, físico e de imagem, será possível confirmar o diagnóstico e assim encaminhar o paciente para o tratamento mais adequado.

Cirurgia de hérnia inguinal: Quando é indicada?

Apesar de a cirurgia de hérnia inguinal ser o único tratamento eficaz para a hérnia, não são todos os pacientes que precisam ser submetidos a esse procedimento como primeira medida.

Hérnias pequenas e assintomáticas, que não oferecem risco imediato para o indivíduo, podem ser apenas acompanhadas pelo médico. Porém, não é incomum que, no longo prazo, a maioria dos portadores de hérnias pequenas e assintomáticas comece a apresentar um quadro de dor e incômodo que os levará a buscar tratamento. Nesse caso, a cirurgia de hérnia inguinal é a única opção.

A cirurgia de hérnia inguinal é a melhor forma de tratamento, sendo indicada especialmente quando existem sintomas. O procedimento pode ser realizado com três técnicas diferentes:

– Convencional: ainda é uma técnica muito utilizada. As técnicas abertas ou convencionais apresentam como principais vantagens: podem ser realizadas com anestesia local nas hérnias pequenas, são fáceis de realizar, apresentam pequeno risco de complicações graves e têm custo menor. As principais desvantagens são o maior risco de complicações de ferida operatória (incluindo infecção), maior dor pós-operatória, maior tempo de recuperação e de retorno às atividades habituais.

– Por laparoscopia: consiste na realização da cirurgia por meio de pequenas incisões (“furinhos”). É insuflado um gás no interior do abdômen do paciente com o objetivo de criar espaço para que o cirurgião utilize pequenos instrumentos e corrija a hérnia com sutura e colocação da tela. As grandes vantagens desta técnica são: recuperação mais rápida, menor dor, retorno mais rápido às atividades e menos complicações de ferida operatória. Entretanto, as principais desvantagens são: necessidade de anestesia geral, custos maiores, e técnica mais apurada.

– Cirurgia robótica: nela, o cirurgião manipula um robô para fazer a cirurgia de forma similar a laparoscopia. Esta técnica está entre os grandes avanços da medicina, pois garante maior precisão nos movimentos ao longo da cirurgia e melhor ergonomia para o cirurgião.

O cirurgião é quem define o tipo de cirurgia, dependendo das condições de saúde do paciente.

Cuidados pré-operatórios da cirurgia de hérnia inguinal

Antes da cirurgia, os médicos costumam não passar muitas recomendações. É preciso, por exemplo, estar em jejum e, em alguns casos, suspender o uso de medicamentos como os anticoagulantes, por exemplo. Ter realizado os exames gerais de check-up pré-operatório.

Cuidados no pós-operatório da cirurgia de hérnia inguinal

O pós-cirúrgico da cirurgia de hérnia inguinal costuma ser rápido, mas exige uma atenção especial. As principais orientações são:

  • Não fazer esforço físico e levantar objetos mais pesados por, pelo menos, 14 dias;
  • Evitar dirigir nos cinco primeiros dias;
  • Manter a região operada limpa e seca;
  • Manter uma alimentação leve e saudável;
  • Não ficar muito tempo sentado ou deitado;
  • Tossir e espirrar com delicadeza, protegendo a região operada.

Os maiores riscos da cirurgia de hérnia inguinal são de sangramento e infecção do corte. Alguns pacientes referem sensação de formigamento ou amortecimento no local por algumas semanas. A chance da falha de cirurgia (recidiva da hérnia) é menor que 1%. 

Quanto custa uma cirurgia de hérnia inguinal?

O preço ou valor de uma cirurgia de hérnia inguinal pode variar em função de diversos fatores, como a técnica cirúrgica, por exemplo. Apenas o médico especialista em hérnia poderá, após avaliação, estimar o valor da cirurgia.

Como evitar o surgimento de uma hérnia inguinal? 

Nem sempre é possível evitar que a hérnia surja, no entanto, existem algumas medidas que podem diminuir o risco:

  • Praticar exercício físico regularmente, pelo menos três vezes por semana, para manter os músculos fortalecidos;
  • Ter uma dieta rica em fibras, para diminuir as chances de prisão de ventre, o que aumenta a pressão intra-abdominal;
  • Evitar pegar objetos muito pesados;
  • Não fumar;
  • Manter o peso ideal.

A hérnia inguinal é uma doença muito comum e que pode trazer riscos à saúde. É preciso ficar atento aos sintomas e procurar orientação médica assim que eles surgirem. Nem sempre é necessário fazer a cirurgia de hérnia inguinal, mas caso seja preciso, o ideal é que o procedimento seja planejado, e não feito de maneira emergencial. Para evitar essa situação, procure um dos especialistas da Hernia Clinic para orientá-lo, entre em contato agora mesmo e agende sua consulta.

Fontes:

Hernia Clinic
MSD
Sociedade Brasileira de Hérnia e Parede Abdominal