Fale conosco pelo WhatsApp Fale conosco pelo WhatsApp

Hérnia Inguinal

Mulher com as mãos na região abdominal - hérnia inguinal

Caracterizada pelo surgimento de um abaulamento na região da virilha, a hérnia inguinal é uma alteração resultante da existência de um ponto fraco na musculatura da região inferior da parede abdominal. Esses músculos suportam pressões muito altas, e uma eventual fraqueza ou orifício desde a infância, podem fazer com que o conteúdo interno atravesse a região muscular em direção ao plano da pele, formando assim a protuberância. A hérnia inguinal é mais comum em indivíduos do sexo masculino, e pode se manifestar em qualquer fase da vida — embora seja mais frequente nos extremos da vida, ou seja, em recém-nascidos ou em idosos. Pessoas que têm o hábito de fumar ou sofrem de constipação intestinal também apresentam maior tendência ao problema, já que essas são situações aumentam a pressão abdominal.

Esta maior frequência da alteração em homens é justificada pela forma como acontece o desenvolvimento intrauterino dos meninos: os testículos são formados dentro do abdômen e, por volta do 7º ou 8º mês de gestação, forma-se um túnel para que eles passem pela região inguinal (virilha) e cheguem até a bolsa escrotal. Nas meninas, esse canal se forma para permitir a passagem dos ligamentos de fixação do útero.

Em ambos os casos, este canal deve cicatrizar e desaparecer antes do nascimento, deixando apenas um pequeno orifício que recebe o nome de anel inguinal — por onde, no homem, os vasos do testículo e o ducto deferente passam em direção a bolsa escrotal. Em algumas pessoas, pode acontecer de este canal não fechar adequadamente, deixando uma área vulnerável por onde os órgãos internos podem herniar.

Principais dúvidas sobre a Hérnia Inguinal

Tipos de hérnia inguinal e suas diferenças

Existem dois tipos de hérnia inguinal: a direta e a indireta. O primeiro caso ocorre quase que exclusivamente em homens, e geralmente ocorre após longo tempo de esforços físicos. Este é um problema que se desenvolve com o tempo, geralmente se manifestando em pacientes em idade adulta.

A do tipo indireto, por sua vez, é mais comum em bebês e adultos jovens, e está associada a um problema congênito. Isso significa que o ponto frágil por onde ocorre a herniação, é o anel inguinal que não sofreu uma cicatrização e fechamento adequado. Este é o tipo mais frequente de hérnia inguinal, podendo afetar até 3% dos meninos e 1% das meninas.

Quais são os principais sintomas?

Os sintomas de hérnia inguinal mais comuns são:

  • Aparecimento de protuberância ou inchaço da região da virilha;
  • Dor ou desconforto na virilha ao se levantar, curvar ou levantar peso;
  • Sensação de peso na virilha.

O encarceramento é uma complicação da hérnia que pode trazer sérios riscos à saúde do paciente. Este problema ocorre quando o conteúdo que saiu da cavidade abdominal não consegue retornar a seu posicionamento original, ficando preso.

A hérnia inguinal pode evoluir ainda para um processo de estrangulamento, em que o órgão preso para de receber fornecimento sanguíneo, o que pode levar à necrose e morte dos tecidos internos. Esta é uma intercorrência grave, que requer um atendimento de emergência para que não haja risco à vida do paciente.

No caso da hérnia encarcerada ou estrangulada, os sintomas mais frequentes são:

  • Dor intensa na região da hérnia;
  • Inchaço na região inguinal;
  • Endurecimento da protuberância com ou sem vermelhidão local.

Também podem estar associados:

  • Vômitos e náuseas;
  • Distensão abdominal;
  • Ausência de fezes;

O diagnóstico da hérnia inguinal é feito por um especialista após um exame clínico, sendo que na maioria dos casos não é necessário realizar avaliações complementares. Em algumas situações, entretanto, uma ultrassonografia e/ou tomografia computadorizada podem ser solicitadas para uma melhor análise da situação.

Como é o tratamento deste tipo de hérnia?

Chamada de herniorrafia inguinal, a cirurgia para hérnia inguinal é o único tratamento possível para esta alteração. Trata-se de um procedimento considerado simples, desde que o paciente não apresente complicações em relação à doença. Existem três possibilidades para a realização desta operação, todas com igual eficiência no tratamento da alteração:

  • Cirurgia aberta;
  • Cirurgia laparoscópica;
  • Cirurgia robótica.

A escolha da metodologia mais adequada é feita pelo cirurgião especialista em hérnia, após consulta e avaliação criteriosa. Não existe uma técnica cirúrgica definitiva e que serve para todas as situações: cada caso é único, e o paciente é tratado de acordo com suas necessidades e particularidades.

Homens com hérnias inguinais pequenas e que não apresentam sintomas, por exemplo, podem ser apenas acompanhados. Isso acontece porque o risco de complicações graves neste caso é muito baixo, permitindo que a espera seja uma estratégia segura. O acompanhamento da hérnia na virilha é essencial, pois pode começar a causar problemas, mesmo sem sintomas.

Procurar por um profissional de saúde especializado no tratamento de hérnia inguinal é essencial para garantir uma rápida recuperação cirúrgica, evitando qualquer problema ou intercorrência.

Cuidados pré e pós-operatórios

Mesmo nos casos em que a hernioplastia é considerada de pequeno porte ou utiliza métodos minimamente invasivos, é essencial que o paciente seja submetido a cuidados pré-operatórios que envolvem a realização de exames gerais e coagulograma. Na maioria dos casos, normalmente, não são necessários exames de maior complexidade.

O procedimento dura cerca de 60 minutos, com curto período de internação. Dependendo das características da hérnia inguinal que está sendo tratada, a cirurgia pode ser feita com uso de anestesia local (somente na área da hérnia), regional (em uma região maior do corpo) ou geral (corpo inteiro).

Independentemente da metodologia e anestesia escolhida pela equipe médica, em todos os casos a cirurgia consiste no reposicionamento do órgão herniado dentro da cavidade abdominal. Em seguida, o cirurgião pode ou não fechar a abertura existente com pontos, a depender do tipo de hérnia. Uma tela cirúrgica é inserida na região para reforçar a parede abdominal e reduzir as chances de que o problema retorne.

O período de repouso necessário é de aproximadamente duas semanas, período em que o paciente deve fazer uso dos medicamentos receitados e evitar esforço abdominal. A retomada da prática de exercícios físicos é feita geralmente 30 dias após o procedimento e após liberação médica.

Com uma equipe profissional especializada no tratamento de hérnias abdominais, a Hernia Clinic oferece todas as opções de tratamento cirúrgico para hérnia inguinal, identificando e realizando a melhor estratégia para cada caso. Entre em contato para saber mais.

Fontes:

Centro de Hérnia – Hernia Clinic;

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva;

Sociedade Brasileira de Hérnia e Parede Abdominal.