Fale conosco pelo WhatsApp Fale conosco pelo WhatsApp

Cirurgia de hérnia inguinal

Médico segurando tela cirúrgica - cirurgia de hérnia inguinal
04ago, 2021

A cirurgia é a única maneira efetiva de curar uma hérnia. Existem algumas situações, como no caso de hérnias pequenas e assintomáticas, em que elas podem, por um período, serem apenas acompanhadas

A hérnia inguinal se caracteriza pelo surgimento de um abaulamento na região da virilha. A principal causa que leva ao desenvolvimento desse tipo de hérnia é o enfraquecimento da musculatura localizada na região inferior da parede abdominal. Esses músculos suportam pressões muito altas, e uma eventual fraqueza pode fazer com que o conteúdo interno atravesse a região muscular em direção ao plano da pele, formando assim a protuberância.

hérnia inguinal é mais comum em homens e pode surgir em qualquer fase da vida. Pessoas que têm o hábito de fumar e tossem ou sofrem de constipação intestinal podem apresentar maior tendência ao problema, já que essas são situações que contribuem para uma maior pressão no abdômen.

Existem dois tipos de hérnia inguinal: a direta e a indireta. A direta ocorre quase que exclusivamente em homens e geralmente depois de um longo tempo de esforços físicos, uma vez que o orifício se forma na musculatura da região propriamente dita.

A do tipo indireto é mais comum em bebês e adultos jovens e está associada a um problema congênito, uma vez que o orifício é o mesmo da passagem das estruturas do testículo. Este é o tipo mais frequente de hérnia inguinal, podendo afetar até 3% dos meninos e 1% das meninas.

Como é feito o diagnóstico da hérnia inguinal?

O diagnóstico da hérnia inguinal é feito por um exame clínico. Na maioria dos casos não é necessário realizar avaliações complementares. Em algumas situações, entretanto, uma ultrassonografia e/ou tomografia computadorizada podem ser solicitadas para uma melhor análise da região.

Cirurgia de hérnia inguinal

Apesar de a cirurgia de hérnia inguinal ser o único tratamento eficaz para correção do problema, hérnias pequenas e assintomáticas, que não oferecem risco imediato para o indivíduo, podem ser apenas acompanhadas. Porém, há risco de, com o tempo, elas passarem a causar incômodo, o que necessariamente levará à realização da cirurgia.

Existem três maneiras de fazer a cirurgia de hérnia inguinal:

  • cirurgia aberta (convencional;
  • laparoscópica;
  • robótica.

A diferença entre as três está no tamanho das cicatrizes, desconforto local e velocidade de recuperação. Todas seguem as mesmas premissas técnicas de reduzir o defeito da hérnia, geralmente com a fixação de uma tela cirúrgica. A laparoscópica e a robótica são menos invasivas e demandam menor tempo de recuperação ao paciente. Conheça cada uma das técnicas a seguir.

Cirurgia aberta

O cirurgião realiza uma incisão no local em que teve início o abaulamento para que o órgão que se infiltrou pelo orifício seja recolocado no lugar. Geralmente, para impedir que ocorra uma recidiva da hérnia, o médico coloca uma tela de polipropileno (tipo de plástico) que é agregada à musculatura que apresentou esse afrouxamento, fornecendo um reforço à região.

Cirurgia laparoscópica

A cirurgia por laparoscopia é um procedimento minimamente invasivo no qual o médico faz três pequenas incisões no abdômen. Por eles, são inseridos os instrumentos cirúrgicos e uma câmera, que vai auxiliar o cirurgião a visualizar o campo cirúrgico com melhor definição.

Nesta técnica, o tempo de recuperação do paciente é menor e as cicatrizes são mínimas. Na cirurgia laparoscópica também é utilizada uma tela acoplada à musculatura para diminuir a chance de recidiva da hérnia.

Cirurgia robótica

É a técnica mais avançada quando pensamos em cirurgia de hérnia inguinal. Ela é semelhante a laparoscopia, porém o procedimento é inteiramente feito por um robô que é controlado pelo cirurgião. Nessa conduta, médicos auxiliares ficam próximos ao paciente e o cirurgião comanda o robô por controles.

Assim como na cirurgia laparoscópica, na cirurgia robótica também são feitas três pequenas incisões, a fim de recolocar os órgãos dentro da cavidade abdominal e posterior fechamento do orifício com uso de tela cirúrgica.

Caso o paciente tenha a hérnia diagnosticada e seja recomendada a cirurgia de hérnia inguinal, mas ele opte por não fazer, existem riscos de complicações do quadro, como a hérnia encarcerada ou estrangulada, que podem levar a uma intervenção cirúrgica de emergência.

A escolha da metodologia mais adequada para a cirurgia de hérnia inguinal é feita pelo cirurgião especialista em hérnia, após consulta e avaliação criteriosa do paciente. Não existe uma técnica cirúrgica definitiva e que serve para todas as situações. Cada caso é único, e o paciente é tratado de acordo com suas necessidades e particularidades.

Fontes

Centro de Hérnia – Hernia Clinic.